11/09/2012 - Sobre o gerúndio

Mudanças notáveis, temos examinado, ocorreram na evolução do latim ao português. O gerúndio não ficou imune a essas mudanças. Assim é que dos quatro casos do gerúndio existentes em latim para a manifestação das diversas relações sintáticas, um só, o ablativo, deu orgiem à forma portuguesa também chamada de gerúndio. Para se dizer arte de amar, o latim empregava, ao invés do infinitivo, o genitivo do gerúndio, a saber, amandi (ars amandi); ad amandum é a forma do acusativo, para amar; amando é a forma do ablativo. Numa frase como legendo disces, legendo é o gerúndio de legere (lendo aprenderás). Ao longo do tempo, o gerúndio passa a absorver os valores do particípio presente latino, que acaba por desaparecer do sistema da língua portuguesa. Numa frase como caminhas lendo, o gerúndio traduz a idéia de simultaneidade, ideia essa que era expressa em latim pelo particípio presente – legens ambulas – em que legens é o particípio presente. Várias outras circunstâncias eram expressas mediante o uso do particípio presente. Note-se que, além de expressar a ideia de uma oração adjetiva, como no belíssimo verso do poeta Vergílio ‘…suadentque cadentia sidera somnos’ ( … e os astros que caem recomendam o sono), o particípio presente incorporava a ideia de diversas circunstâncias (modo, tempo, causa, proporção, tempo etc.). Na frase canis … natans lympharum in speculo vidit simulacrum suum (enquanto nadava, o cão viu sua imagem no espelho das águas) natans tem valor adverbial. De valor incomensurável era seu emprego na orações reduzidas, como se percebe no provérbio latrante uno, latrat et alter canis (quando um cão late, latindo um cão, late também o outro). Como se verifica, o gerúndio passa a preencher a lacuna deixada pelo desaparecimento do particípio presente.

As mudanças ocorridas na língua ao longo do tempo fazem com que a mesma passe a sofrer um processo de acomodção semântica e sintática, que deve merecer por parte do falante um cuidado extremo. As sutilezas que a língua nos oferece são extraordinárias. Cabe a nós percebê-las e mostrá-las a quem queira penetrar neste mundo maravilhoso e misterioso, que é a linguagem humana.

Voltar